Pág. 15 - Afronta Impiedosa (Comentado)

Comentário
Professora de Literatura Maria Granzoto da Silva
Arapongas - Paraná
granzoto@globo.com


Afronta Impiedosa
(José Antonio Jacob)

Em cada rua há um vendedor de flores
E anda distante o Dia de Finados;
Casais se beijam murmurando amores,
Também não é Dia dos Namorados.

Essa cidade tem muros dourados,
Por onde passam brisas sem rumores
E nos salões de imperiais sobrados
Divertem-se os fidalgos sem pudores.

E o céu é tão azul que dói na vista,
O mar parece capa de revista
E ao longe nos acena um iate à vela...

E o que mais nos afronta e desiguala
É o luxo se exibindo na novela
E essa pobreza muda em nossa sala.


POESIA DE BOLSO PÁG. 15




Introdução

De há muito ando sedenta por um mergulho nos sonetos do grande poeta José Antonio de Souza Jacob, quer seja para melhor aprofundamento nas reflexões sobre a existência da vida em todas as suas variáveis, quer seja para escancarar o grito contido e que necessita ser expirado diante de um mundo tão desigual, tão falso e de tanta maldade, essas ervas daninhas que brotam continuamente no coração de várias pessoas e não há veneno que as erradique!

O título


Por si, o título diz tudo! Afronta-se desde a Constituição Federal até artigos de jornal, peças teatrais, SENTIMENTOS, atos religiosos e tantos outros aspectos da vida humana, impossíveis de serem enumerados. Neste caso, até cego “vê”! São sempre estabelecidas duas visões sobre quem seriam os miseráveis na sociedade. Há uma separação entre ladrões e homens honestos, endinheirados e pobres, trabalhadores e usurpadores. E tudo de modo desumano (se é que pode haver humanismo numa afronta...)! Doa a quem doer! Quem pode mais, chora menos.

O primeiro quarteto

Em cada rua há um vendedor de flores
E anda distante o Dia de Finados;
Casais se beijam murmurando amores,
Também não é Dia dos Namorados.


Desconfia amigo! Permitam-me citar Jean Baptiste Debret: “Tudo assenta, pois, neste país, no escravo negro; na roça, ele rega com seu suor as plantações do agricultor; na cidade, o comerciante fá-lo carregar pesados fardos; se pertence ao capitalista é como operário ou na qualidade de moço de recados que aumenta a renda senhor” Aqui, nesta Pátria Amada, “todo dia é dia, toda hora é hora de pensar que este mundo é seu”: de vender flores, quaisquer sejam os motivos; de promoções das mais inusitadas, pensadas e ilustradas nas formas mais inimagináveis! Na prancha 6, “Vendedor de Flores à Porta de uma Igreja, no Domingo”, Debret enfatiza que aquela era uma cena real. Ele descreve como um criado de casa rica, parado à porta de uma igreja no domingo, vende flores em benefício do patrão. Então, poeta Jacob! Estaríamos nós ensandecidos? Na bandeja que leva na outra mão o escravo vende, por conta própria, pedaços de côco. Nessa afirmação de ser a prancha uma cena real, fica-nos uma pergunta: até onde eram reais todas as outras cenas pintadas e descritas por Debret? Por que esta em particular ele afirmou ser uma “cena real”? E pensar mais além: até que ponto as fontes imagéticas podem servir ao historiador para capturar um fragmento de realidade não mais ao alcance da memória?



Possivelmente, para essas inquietações não existam respostas satisfatórias. Contudo, podemos partir do princípio de que reais ou apenas factuais, deixando-se ver apenas por uma realidade local e individualizada, as cenas pintadas por Rugendas e por Debret, confirmadas por meio de pesquisas em inventários, testamentos, entre outros documentos, transformam-se em importantes aliadas para os historiadores da atualidade, quando analisadas com olhar investigativo e inquisidor.

O segundo quarteto

Essa cidade tem muros dourados,
Por onde passam brisas sem rumores
E nos salões de imperiais sobrados
Divertem-se os fidalgos sem pudores.


Herança de um passado nem tão distante! Ao observar os desenhos realizados por Debret e Rugendas, percebe-se que os negros– escravos e libertos – são os protagonistas de grande parte das cenas retratas pelos artistas ao reproduzirem o ambiente do trabalho e da rua. Possivelmente, a explicação a respeito da quantidade de desenhos retratando os negros possa ser entendida por uma fala de Rugendas na ocasião de sua primeira estadia no Brasil: “os hábitos sociais das classes elevadas não fornecem ao pintor maior número de traços característicos que os comuns às grandes cidades da Europa, por outro lado, é o artista fartamente compensado pela diversidade barulhenta das classes inferiores”. Notoriamente, era o exótico que inspirava os artistas estrangeiros a retratar o Brasil da primeira metade do século XIX. Newton Carneiro observou, inclusive, que o problema do negro impressionava e comovia a Rugendas. É o que tece o poeta Jacob em seus versos! Saiamos às ruas, andemos, observemos... Não temos mais escravos, ora essa! As filas de hoje não são sinais de poder... Antigamente, os negros eram os últimos da fila quando o senhorio saia com sua prole. As filas de hoje não discriminam... Velhos, jovens, trabalhadores, desempregados, doentes e tantos outros estão na mesma fila! Quanta igualdade! A única diferença é a ordem de chegada...

O primeiro terceto

E o céu é tão azul que dói na vista,
O mar parece capa de revista
E ao longe nos acena um iate à vela...


O cenário permanece o mesmo. O céu não mudou. O mar não mudou. Só a caravela mudou um pouquinho... Mudou de nome, tem mais conforto e outra finalidade... É claro que a intenção é realizar uma viagem de iate, imagética, na tentativa de mapear as atividades exercidas pelos negros fora das grandes fazendas de engenho e de café, exercendo funções diversificadas e, até mesmo, que exigiam qualificação e aprendizado. Nosso foco são as imagens e o soneto que as acompanham. As imagens seguidas dos textos oferecem-nos muito mais do que registros iconográficos e relatos descritivos do Brasil, suas paisagens e seus habitantes. Mais do que isso, elas evidenciam as relações sociais estabelecidas na Colônia portuguesa, a mobilidade dos negros em pleno sistema escravagista e as especificidades da escravidão no Brasil do período atual. E que fique muito claro que “negro”, aqui no texto, nada tem a ver com a cor da pele! Neste soneto, Jacob põe de permeio entrelinhas de repulsa à posição dos indivíduos e seus grupos na sociedade como um todo.

O último terceto

E o que mais nos afronta e desiguala
É o luxo se exibindo na novela
E essa pobreza muda em nossa sala.





Há um velho axioma segundo o qual toda política é essencialmente municipal e que todo governante deve pensar globalmente, mas atuar localmente. Embora seja uma premissa antiga, duvido que a classe política tenha pensado na lógica desse sistema que insere harmonia no gerenciamento do espaço e das pessoas, qualquer seja a classe social de onde provenha como balizador de qualidade de vida. Mas continuamos sendo afrontados, classificados pela tipagem exterior, pelos bens que possuímos ou não, enfim, pela “casca” que vestimos! A meu juízo a classe política peca duplamente ao se eximir da responsabilidade global e não respeitar o espaço local, o homem em sua plenitude, a sua família, o seu caráter, preferindo focalizar suas ações nos objetivos eleitorais do próximo pleito. Para ela nós somos apenas eleitores, contribuintes ou habitantes, mas nunca seres humanos em busca da cidadania plena. Que “Afronta Impiedosa”, poeta Jacob!

Maria Granzoto da Silva


Referências bibliográficas

ANASTASIA, Carla Maria J.; PAIVA, Eduardo F. (orgs.). OTrabalho Mestiço: maneiras de pensar e formas de viver. SéculosXVI a XIX. São Paulo: Annablume editora, 2002.

BELLUZZO, Ana Maria. A propósito do Brasil dos Viajantes.

REVISTA USP, SÃO PAULO (30): 46 -57, JUNHO /AGOSTO 1996. “O Brasil dos Viajantes”.

BELLUZZO, Ana Maria de M. O Brasil dos Viajantes. SãoPaulo, Edição Metalivros/Fundação Odebrecht, l994 ,3 vol.

CARNEIRO, Newton. Rugendas no Brasil. Rio de Janeiro:Kosmos, [19- ]. p. 16

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica aoBrasil. (trad. Sérgio Milliet) São Paulo: Livraria MartinsEditora, 1979.

.DIENER, Pablo. O catálogo fundamentado da obra de J. M.Rugendas e algumas idéias para a interpretação de seus trabalhossobre o Brasil.

REVISTA USP, SÃO PAULO (30): 46 -57,JUNHO / AGOSTO 1996. “O Brasil dos Viajantes”.

PAIVA, Eduardo França. História & Imagens. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

PAIVA, Eduardo França. Bateias, carumbés, tabuleiros: mineração africana e mestiçagem no Novo Mundo. In: PAIVA,Eduardo França & ANASTASIA.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Uma cidade sensível sob o olhar do “outro”: Jean-Baptiste Debret e o Rio de Janeiro (1816-1831).

Revista eletrônica “Novo mundo-mundos novos”. Endereço eletrônico: http://nuevomundo.revues.org/document3669.html.

RUGENDAS, João Maurício. Viagem Pitoresca Através do Brasil. São Paulo: EDUSP, 1979.


voltar ao ÍNDICE



Sugestões
granzoto@globo.com



POESIA DE BOLSO
ÍNDICE


Sonetos

7/ Desenho (Comentado)
8/ Sonho de Papel (Comentado)
9/ Florzinha (Comentado)
10/ Impulsão (Comentado)
11/ Bolhas de Sabão (Comentado)
12/ Fim de Jornada (Comentado)
13/ Amor -Próprio Ferido
14/ A Dança dos Pares Perdidos
15/ Afronta Impiedosa (Comentado)
16/ Almas Primaverais
17/ Casinha de Boneca
18/ Nós Somos Para Sempre
19/ Sonhando (Comentado)
20/ Faltas e Demoras
21/ Velho Órfão
22/ Silêncio em Casa
23/ Quanto Tempo nos Resta? (Comentado)
24/ Enigma
25/ Despercebimento
26/ Porta-retratos
27/ Roseiras Dolorosas
28/ Sonho Quebrado
29/ O Espelho
30/ O Palhaço (Comentado)
31/ Varal de Luzes
32/ História sem Final
33/ O Beijo de Jesus (Comentado)
34/ Musa do Ano Novo
35/ Natal dos meus Sonhos (Comentado)
36/ O Ano Bom do Bom Fantasma
37/ Domingo em Casa
38/39/ Elogio à dor do Desamor I e II
40/ Almas sem Flores
41/ Crença
42/ Além da Porta
43/ Alminha
44/ Carretéis
45/ Os Afogados
46/ Jardim sem Flores (Comentado)
47/ Mudança
48/ O Vira-lata (Comentado)
49/ Revelação
50/ O Vendedor de Bonequinhos
51/ Repouso no Sítio (Comentado)
52/ Tédio
53/ Crepúsculo de uma Árvore
54/ Noite Fria
55/ Oração do Descrente
56/ Não Despertes Sonhos Nos Meus Dias
57/ Falsidade
58/ Renascer
59/ Poodle
60/ Prisioneiro
61/ A Mãe e a Roseira
62/ A Saudade Sempre Pede Mais
63/ Sublimação (Comentado)
64/ Solidão (Comentado)
65/ Esperança Morta
66/ A Aurora da Velhice
67/ Mãos nos Bolsos
68/ Figurinhas
69/ História Boa
70/ Soneto para o Poeta Triste
71/ Minha Senhora
72/ Soneto de Natal
73/ O Pai e a Terra
74/ Minha Mãezinha
75/ Brinquedo
76/ Alegoria
77/ Almas Raras
78/ Angústia
79/ As Formigas
80/ Velhice Feliz
81/ Na Poltrona
82/ Oração do Dia dos Pais
83/ Ócio e Solidão
84/ A Prece do Capuchinho
85/ Último Delírio
86/ Canção do Rio
87/ O Verso Único
88/ Páscoa
89/ De Volta aos Quintais
90/ Amada Sombra que Persigo
91/ Eu Creio Sim!
92/ Coelhinho da Páscoa
93 Restou uma Poesia
94/ Meu Presépio

Quadra
95/ Veritas (Comentado)

Sextilhas
96/ Delírios de Maio (Comentado)
100/101/ Passeio na Cidade
102/ Natal na Rua da Miséria (Comentado)
104/105/ Uma Temporada na Roça
106/ O Fantasma que mora em meu Sofá
108/ Filhos de Minas


ESPECIAIS JOSÉ ANTONIO JACOB

PPS Clique no seu Poeta
(Magnífica declamação do artista português José Bento)

O Sono de Pensar
(Poema em versos livres)

Site Cenário de Sentimentos

AVSPE José Antonio Jacob
Homenagem da poetisa Tere Penhabe
(Acróstico Poético)
(Apresentação de Maria Granzoto da Silva)

Resposta ao Passado
(Especial ArtCulturalBrasil)

Mémória de Bibelô
(especial ArtCulturalBrasil)

Além da Porta
(Vídeo de Dorival Campanelle)

VISITE



Voltar
ÍNDICE