Pág. 14 - A Dança dos Pares Perdidos ( Pedagogia da Imaginação)


Comentado
ArtCulturalBrasilPesquisa


"A imaginação é a louca da casa."( Nicolas Malebranche )


A Dança dos Pares Perdidos
(José Antonio Jacob)


Dissolve-se a família e eu não sabia
Que ausências aparecem sem querer.
A mesa vai ficando mais vazia
Até a nossa casa emudecer.

O mundo é isso mesmo! Eu me diria...
Mas, ouço a Voz que insiste em me dizer:
- A vida traz momentos de alegria,
Se eles se vão, alguém tem que sofrer.

Entro no quarto escuro e não confio
No beijo eterno da mulher amada
E o meu abraço abraça outro vazio...

Eu fiquei só na dança inacabada,
Perdi meu par na dança e desconfio
Que eu morri e ninguém me disse nada.





Natureza da Memória

Define-se muitas vezes a memória como a faculdade de reviver o passado. Mas esta definição, ponderada ao pé da letra, não é exata, porque o passado não existe, e não poderá reviver.

A filosofia tomista de Régis Jolivet diz-nos que "a memória tampouco é a faculdade de conservar e evocar os conhecimentos adquiridos, pois seu objeto é muito mais extenso. A memória pode conservar e evocar os sentimentos e as emoções experimentadas, e de fato, todo estado de consciência pode ser fixado, conservado e evocado pela memória".

Então, Jolivet, define a memória como: "a faculdade de conservar e de evocar os estados de consciência anteriormente experimentados. Esta definição se aplica propriamente ao que se chama memória sensível, ou memória propriamente dita. Quanto à memória intelectual, ou memória das idéias como tais, é apenas uma função particular da inteligência".

Prosseguindo afirma: "um ato de memória parece, de início, ser simples. De fato, é um ato complexo em que se podem distinguir quatro momentos: a fixação e a conservação - a evocação - o reconhecimento - a localização dos estados de consciência anteriores". (...)

O Reconhecimento das Lembranças

Prosseguindo, ainda, na filosofia de Jolivet que reconhece que "não existe lembrança verdadeira, a não ser quando a lembrança é reconhecida como evocadora de um estado anteriormente experimentado, e experimentado por mim, quer dizer, como um dos elementos de meu passado".

"A lembrança, assim evocada e reconhecida, distingue-se da percepção, como um estado débil se distingue de um estado forte, - e da imaginação, pelo fato de que a imagem pode ser modificada por nós: ao contrário da lembrança, que podemos sem dúvida afastar, mas, não modificar à vontade".

Primeiro Quarteto

Dissolve-se a família e eu não sabia
Que ausências aparecem sem querer.
A mesa vai ficando mais vazia,
Até a nossa casa emudecer.


Pedagogia da Imaginação

"Ocorre com a imaginação o mesmo que com as outras faculdades: ela é útil, necessária, produz obras-primas da arte e da ciência. Mas também pode ser desregrada e ter efeitos funestos. Não é esta uma razão suficiente para condená-la, como se faz frequentemente. Uma vez que se tenham reconhecido os males que pode acarretar, é necessário esforçar-se para corrigi-la e não lançar-lhe os anátemas. Bem dirigida, só pode dar resultados de capital importância".

Perigos da Imaginação

"Malebranche a chama " a louca da casa" e Pascal escreve que é uma "mestra de erro e falsidade". Não devemos negá-lo: a imaginação pode ser uma e outra coisa".

"A imaginação pode, de fato acarretar muitos males. Gera o pessimismo, esse estado de morna tristeza, que faz ver todas as coisas sob cores sombrias, descolora todas as alegrias, e torna a vida um peso. - A imaginação alimenta as paixões, apresentando o prazer sob cores enganadoras e de maneira por vezes tão viva que a razão fica paralisada e a vontade aniquilada. É a isto que se chama a vertigem moral, de onde provém muitas quedas".

" A imaginação produz os devaneios românticos, desvia o espírito da realidade e de suas exigências e prepara assim os despertares desencantados, que gastam energia e geram o desencorajamento.

"Todos estes perigos podem surgir. Mas não é necessário, contudo, atribuí-los à imaginação, pura e simplesmente, mas antes a uma imaginação malsã ou desregrada. Uma viva imaginação é sempre uma riqueza, sob a condição de ser bem governada. Por isso aquele que, após verificar quaisquer desvios da imaginação, se aplicasse a arruinar o impulso dessa faculdade, se assemelharia ao cirurgião que quisesse cortar as pernas de um doente, sob o pretexto que ele sofre de reumatismo. Não se trata de suprimir, mas de curar".

Benefícios da Imaginação

"Esses benefícios existem e são numerosos. O que dissemos acima quanto à arte, à ciência, e à vida prática é suficiente para mostrá-lo. Insistamos aqui apenas no papel da imaginação na formação do espírito e do coração.

"Do ponto de vista intelectual. As idéias são abstratas e experimentamos dificuldades, enquanto nos falta uma cultura bastante sólida, para assimilá-las diretamente. Por isso é que a criança não a compreende bem, a não ser que seja ilustrada pela imagem. Sabe-se, a este propósito, que importância adquiriram as imagens nos livros clássicos, e é daí, ainda, que derivam as lições de coisas, que, rigorosamente, nada mais são do que lições de imagens". (...)

Segundo Quarteto

O mundo é isso mesmo! Eu me diria...
Mas, ouço a Voz que insiste em me dizer:
- A vida traz momentos de alegria,
Se eles se vão, alguém tem que sofrer.

"Do ponto de vista moral, a imaginação é também de grande auxílio (...) ela alimenta a esperança, porque, infatigável, não cessa de abrir novas perspectivas, E até, em certo grau, cria o futuro, orientando-nos o espírito e fixando-o numa direção sonhadora, de início, e depois, se a vontade for forte, seguida com perseverança. Quando se trata - coisa importante - de descobrir uma vocação, é à imaginação que se torna necessário dirigir-se, o mais das vezes: podem-se obter, assim, preciosas indicações".

"Benefício maior ainda: a imaginação ajuda a amar o bem e o belo, apresentando-o sob uma forma viva que acalenta o coração e facilita o esforço cotidiano. - É a imaginação que nos torna sensíveis às misérias do outro, apresentando-a a nós com vivacidade: ela sustenta assim o espírito de devotamento e de caridade. Cria a simpatia e desenvolve a sociabilidade, ajudando a compreender e partilhar os sentimentos alheios. Frequentemente os corações áridos nada mais são do que imaginações pobres".

Primeiro Terceto

Entro no quarto escuro e não confio
No beijo eterno da mulher amada
E o meu abraço abraça outro vazio...

"Poderemos concluir, então, desta rápida exposição, que a imaginação é um bem muito precioso. Não se deve, jamais, tentar sufocá-la. Mas é necessário restringi-la ou diriji-la quando tende a consumir-se em quimeras ou devaneios malsãos, excitá-la, acalorá-la, quando naturalmente lenta e fria. Posta a serviço da razão, regulada e vigiada por ela, a imaginação só pode contribuir para tornar a vida mais fecunda, mais virtuosa e mais bela".

*Considerações Finais
(ACB)

Na literatura poética podemos chamar a imaginação de invenção ou criação construtiva organizada, com a dependência exclusiva, ou mesmo com o estilo imagético atinente à distinção de cada autor, separadamente, tendo como principais requisitos a elegância e reserva no porte, nas maneiras, caracteres, características e qualidades pelos quais os autores se diferem uns dos outros, correção de procedimento, dignidade e, por último, capacidade, organização e elaboração intelectual de sua invenção, ou de sua imaginação. Assim como surgem autores que elaboram imaginações pobres, também existem aqueles excepcionais, capazes de transformar a faculdade que seu espírito tem em representar imagens, idéias, em verdadeiras obras-primas.

Conduzir um conjunto de imagens - criadas no imaginário do autor - narrar, expor, combinar ações dentro desta temática, exatamente simultâneas com a ocorrência de cada ação; manifestar neste conjunto a energia da evolução de sua invenção, tudo isso sincronizado com métrica, sonoridade e rima, de acordo com que tudo se inicie e se desenrole com perfeição até o fecho dos catorze versos do soneto, convenhamos, é tarefa mental inexplicavelmente extraordinária, que requer, antes de tudo, um poderoso domínio de seus pensamentos concentrados nos labirintos do abstrato da imaginação: a "louca da casa", segundo Malebranche.

Texto organizado por ArtCulturalBrasil


José Antonio Jacob/Poesia de Bolso/ArtCulturalBrasil/2011
Último Terceto

Eu fiquei só na dança inacabada!
Perdi meu par na vida e desconfio
Que eu morri e ninguém me disse nada.


 
voltar ao ÍNDICE
Realização





BIBLIOGRAFIA

Curso de Filosofia, págs. 158/159/160/161/162/163
de Régis Jolivet - Editora Agir - 1976

Tradução de Eduardo Prado de Mendonça
(Professor de Filosofia da Faculdade Nacional de Filosofia, da Faculdade Católica de Filosofia, Ciências e Letras de Petrópolis, e do Colégio Pedro II - Doutor em Filosofia)




POESIA DE BOLSO
ÍNDICE


Sonetos

7/ Desenho (Comentado)
8/ Sonho de Papel (Comentado)
9/ Florzinha (Comentado)
10/ Impulsão (Comentado)
11/ Bolhas de Sabão (Comentado)
12/ Fim de Jornada (Comentado)
13/ Amor -Próprio Ferido
14/ A Dança dos Pares Perdidos
15/ Afronta Impiedosa (Comentado)
16/ Almas Primaverais
17/ Casinha de Boneca
18/ Nós Somos Para Sempre
19/ Sonhando (Comentado)
20/ Faltas e Demoras
21/ Velho Órfão
22/ Silêncio em Casa
23/ Quanto Tempo nos Resta? (Comentado)
24/ Enigma
25/ Despercebimento
26/ Porta-retratos
27/ Roseiras Dolorosas
28/ Sonho Quebrado
29/ O Espelho
30/ O Palhaço (Comentado)
31/ Varal de Luzes
32/ História sem Final
33/ O Beijo de Jesus (Comentado)
34/ Musa do Ano Novo
35/ Natal dos meus Sonhos (Comentado)
36/ O Ano Bom do Bom Fantasma
37/ Domingo em Casa
38/39/ Elogio à dor do Desamor I e II
40/ Almas sem Flores
41/ Crença
42/ Além da Porta
43/ Alminha
44/ Carretéis
45/ Os Afogados
46/ Jardim sem Flores (Comentado)
47/ Mudança
48/ O Vira-lata (Comentado)
49/ Revelação
50/ O Vendedor de Bonequinhos
51/ Repouso no Sítio (Comentado)
52/ Tédio
53/ Crepúsculo de uma Árvore
54/ Noite Fria
55/ Oração do Descrente
56/ Não Despertes Sonhos Nos Meus Dias
57/ Falsidade
58/ Renascer
59/ Poodle
60/ Prisioneiro
61/ A Mãe e a Roseira
62/ A Saudade Sempre Pede Mais
63/ Sublimação (Comentado)
64/ Solidão (Comentado)
65/ Esperança Morta
66/ A Aurora da Velhice
67/ Mãos nos Bolsos
68/ Figurinhas
69/ História Boa
70/ Soneto para o Poeta Triste
71/ Minha Senhora
72/ Soneto de Natal
73/ O Pai e a Terra
74/ Minha Mãezinha
75/ Brinquedo
76/ Alegoria
77/ Almas Raras
78/ Angústia
79/ As Formigas
80/ Velhice Feliz
81/ Na Poltrona
82/ Oração do Dia dos Pais
83/ Ócio e Solidão
84/ A Prece do Capuchinho
85/ Último Delírio
86/ Canção do Rio
87/ O Verso Único
88/ Páscoa
89/ De Volta aos Quintais
90/ Amada Sombra que Persigo
91/ Eu Creio Sim!
92/ Coelhinho da Páscoa
93 Restou uma Poesia
94/ Meu Presépio

Quadra
95/ Veritas (Comentado)

Sextilhas
96/ Delírios de Maio (Comentado)
100/101/ Passeio na Cidade
102/ Natal na Rua da Miséria (Comentado)
104/105/ Uma Temporada na Roça
106/ O Fantasma que mora em meu Sofá
108/ Filhos de Minas


ESPECIAIS JOSÉ ANTONIO JACOB

PPS Clique no seu Poeta
(Magnífica declamação do artista português José Bento)

O Sono de Pensar
(Poema em versos livres)

Site Cenário de Sentimentos

AVSPE José Antonio Jacob
Homenagem da poetisa Tere Penhabe
(Acróstico Poético)
(Apresentação de Maria Granzoto da Silva)

Resposta ao Passado
(Especial ArtCulturalBrasil)

Mémória de Bibelô
(especial ArtCulturalBrasil)

Além da Porta
(Vídeo de Dorival Campanelle)

VISITE



Voltar
ÍNDICE